Clique-para-ampliar
Nossa história
Clique-para-ampliar

           A Cooperativa de Eletrificação Rural de Gravatal surgiu da necessidade de abastecer e servir Gravatal com energia elétrica, que, até então, não tinha perspectiva de ser atendida pela Estatal Celesc, a qual detinha a concessão para exploração do serviço e não o fazia por ser área economicamente inviável.
Partindo deste princípio, em 17 de Dezembro de 1961, ano em que aconteceu a emancipação política do município de Gravatal, foi fundada a Cooperativa de Eletrificação Rural, por 30 Senhores Gravatalenses (conforme relação abaixo) que tinham uma visão desenvolvimentista, baseada no bem estar social e econômico e, prevendo os benefícios que a energia elétrica poderia proporcionar para todos os cidadãos, não mediram esforços em defender com assertividade o Cooperativismo.
           Para sua fundação a CERGRAL dispunha de poucos recursos técnicos e financeiros. A mão de obra pesada foi realizada através de mutirões pelos fundadores e a mão de obra técnica e os materiais necessários foram cedidos pela empresa criada pelo governo da época (Dr. Celso Ramos, C.E.É. - Comissão de Energia Elétrica).
            Com o propósito de fixar o homem no campo, a melhor maneira encontrada seria levar até eles os benefícios sociais decorrentes da energia.
            Em 10 de Outubro de 1964, os sonhos dos fundadores foram realizados com a inauguração da distribuição de energia pela CERGRAL para a Sede do Município, Tiradentes e Termas do Gravatal. Foram mais 25 anos de muito trabalho, integração, participação e cooperação de toda gente Gravatalense para que a CERGRAL levasse Energia Elétrica para todas as comunidades. Desta forma, via-se consumado os sonhos visionários dos mais ilustres e autênticos Gravatalenses que escreveram parte da história de Gravatal.  
            Todavia, não podemos esquecer que Mario Mafra, Marnio Henrique de Mello, funcionários da C.E.É., destacados para apoiar e assessorar na fundação e organização da CERGRAL, tiveram um papel importante na história da CERGRAL e de Gravatal.  “Todos merecem nosso respeito e admiração pelo seu trabalho e dedicação.” Palavras estas proferidas por Dr. Haroldo Pederneira, Presidente da C.E.É., quando usou a tribuna na inauguração da CERGRAL, em 10 de outubro1964, ficando esta data, como marco da história da CERGRAL. 
            Passados 50 anos, meio século de muito trabalho dos dirigentes, colaboradores e associados, podemos afirmar que a CERGRAL tem um passado glorioso, um presente com sucesso e um futuro promissor.
 
 

 

FUNDADORES DA CERGRAL 1961

Adolfo Daufembach                         (†)
Álvaro José de Medeiros                 (†)
Antonino Esmeraldino                     (†)
Antônio Júlio de Medeiros               (†)
Antônio Knabenn                            (†)
Barnabé Manoel Pereira                 (†)
Basílio Francisco Darela                  (†)
Elzi Kindermann                              (†)
Ernesto Comeli                               (†)
Francisco de Carvalho Silvano        (†)              
Francisco G. da Silva                       (†)
Francisco Kindermann                     (†)
Hélio Agostinelli                               (†)
Hercílio Zappelini                             (†)
Jacinto Yung                                    (†)
João Ernesto da Silva                      (†)
Joaquim Cardoso Duarte                 (†)
José João das Neves                       (†)
José Kindermann                             (†)
Lídio Bez                                          (†)
Manoel das Neves                           (†)
Manoel José Candido                       (†)
Mário Mafra                                      (†)
Nicolau Francisco Corrêa                  (†)                              
Nuncio Bez                                       (†)
Osvaldo Sá de Oliveira                     (†)
Otácilio João de Sá                           (†)
Sebastiana Bitencourt                      (†)
Sílvio de Oliveira                               (†)
Silvio Zappelini                                  (†)
Valentim Kindermann                        (†)
 
(†) “ In-memorian”